8 de outubro de 2014

Os amantes sob os lírios (Marc Chagall & Cláudia Roquette-Pinto)

O casal (dizem) está debaixo de um arranjo.
Mas os lírios e as rosas e as folhas furiosas
se esparramam de tal modo, em tantas direções,
que a explosão vegetal faz pensar num desgoverno
de idéias, de cabelos (um chapéu sem cabimento,
um adereço de carnaval).
Meio oculto pelo arbusto florescente,
o homem mergulha inteiramente na direção do beijo:
olhos velados, braço-antebraço sustentando-lhe o busto,
lábios quase tocando os da mulher reclinada.
Ela, entretanto, com a boca e os olhos abertos,
inclina a cabeça, talvez com o  mesmo susto
de um peixe sem ar na superfície da água,
de uma flor voltando o rosto para o sol.