11 de fevereiro de 2011

Literatura:

Estas anotações – e é indiferente saber se nelas existe uma grande ou pequena dose de realidade – são uma procura, não de vencer a enfermidade da época com rodeios ou paliativos, mas um intento de converter a própria doença em objeto de interpretação. Significam literalmente uma jornada pelo inferno, uma caminhada algumas vezes angustiosa, outras cheia de entusiasmo através do caos de um mundo anímico tenebroso, caminho percorrido com a vontade de atravessar o inferno, de oferecer a face ao caos, da padecer o mal até o fim.

(O lobo da estepe, Hermann Hesse)