5 de dezembro de 2010

Resenha sentimental #2



Vejo na televisão meus ídolos morrerem e creio ser este fato central nisto que pretendo formação, pois os símbolos nos quais invisto estatura, relevância ou significação, isto é, breves índices ou modelos que assumo por traduzirem pistas do que desejo, almejo ou invejo, trazem consigo a marca da desistência incontornável, a determinada e determinante inexorabilidade da vida, portanto, sem descaso ou desespero, presume-se com obviedade que idolatro a resistência que jamais vencerá a morte: Kurt Cobain aponta uma Remington 11 para minha cabeça e meus ídolos se negam a dizer adeus em guitarras quebradas que são gritos impossíveis que são guitarras quebradas: insanos arautos proclamando rendição.

(Nirvana)